Warning: Attempt to read property "image_fulltext" on null in /home/krmp/rikaryo.com.br/templates/ja_blockk/html/com_content/article/default.php on line 32

Warning: Attempt to read property "image_fulltext" on null in /home/krmp/rikaryo.com.br/templates/ja_blockk/html/com_content/article/default.php on line 36

Warning: Attempt to read property "image_fulltext" on null in /home/krmp/rikaryo.com.br/templates/ja_blockk/html/com_content/article/default.php on line 43

Warning: Attempt to read property "image_fulltext" on null in /home/krmp/rikaryo.com.br/templates/ja_blockk/html/mod_jacontentlisting/details/default-03/index.php on line 39

Warning: Attempt to read property "image_fulltext" on null in /home/krmp/rikaryo.com.br/templates/ja_blockk/html/mod_jacontentlisting/details/default-03/index.php on line 41
/home/krmp/rikaryo.com.br/templates/ja_blockk/html/mod_jacontentlisting/details/default-03/index.php on line 63
https://www.rikaryo.com.br/');" >

Comunidade no Orkut “Agenor ditador” cresce na internet

Imagem IlustrativaNa última semana uma comunidade na rede de relacionamentos da Google (Orkut) vem ganhando membros rapidamente, em menos de uma semana de criação já possui quase 300 adeptos na maioria jovens. A comunidade criada contra o prefeito quebra todos os códigos de ética e postura, mas a população está revoltada e por conta disso procura se manifestar de alguma maneira contra a posição tomada pela administração no caso da tortura, sequestro e espancamento de cinco jovens por membros da gestão do prefeito (chefe de gabinete, assessor especial e policial militar) que tomou repercussão internacional.

O prefeito disse para toda a imprensa iguatuense que tudo num passa de um circo armado por sua oposição, que vive procurando maneiras de colocar a população iguatuense contra sua gestão e que os citados pelos agredidos são todos inocentes.

Link para a Comunidade: http://www.orkut.com.br/Main#Community?cmm=29429926

A comunidade criada no Orkut é somente uma das várias manifestação contra o caso das torturas, essa semana mais de 50 movimentos/entidades sociais do município de Iguatu, distribuíram uma nota condenando os atos e pedindo justiça.

Clique abaixo e leia a nota de repúdio feita pelos movimentos sociais do Iguatu.

Depois de um longo processo histórico de massacres e resistências de índios, negros, pobres, trabalhadores (as) e mulheres, a sociedade civil brasileira, por meio de suas organizações, afirmou-se como protagonista dos rumos de nossa Pátria, construindo ferramentas democráticas e com participação ativa no controle das políticas públicas, na luta contra a corrupção, na proposição de leis que favoreçam o bem comum, na mobilização popular pelos direitos humanos, sociais, civis e ambientais, consolidando, assim, o Estado Democrático de Direito.

Por tudo isso, lamentamos profundamente a onda de violência e desrespeito à Dignidade Humana, praticada contra os direitos civis da liberdade de expressão e do direito da população à informação, que vem se desencadeando nos últimos tempos no município de Iguatu, iniciada por meio de uma forma de violência verbal já presente em alguns veículos de comunicação.

Assim é que, na madrugada de 12 de fevereiro, cinco jovens foram sequestrados em Iguatu, mantidos em cárcere privado, espancados, humilhados e submetidos a métodos cruéis de tortura física e psicológica, num espetáculo animalesco que representa um verdadeiros atentado à Dignidade da Pessoa Humana. Estes fatos estão registrados no processo Nº 202-28.2010.8.06,0181/0, que se encontra no Tribunal de Justiça do Estado.

Não bastasse a gravidade e a natureza hedionda dos crimes praticados, o que por si só é motivo de revolta e indignação de toda a população do Iguatu e da região, a motivação destes crimes, cometidos com o objetivo de silenciar, reprimir o exercício da liberdade de expressão e direito à informação, e a relação institucional entre os supostos autores materiais destas barbaridades e a esfera do Poder Político, representam um imenso retrocesso histórico e político e elevam de importância este caso, a exigir uma repulsa de toda a sociedade.

Conclamamos a sociedade em geral a levantar, no seu coração, a bandeira da solidariedade, da justiça e da paz, e repudiar com veemência estas práticas arbitrárias de violência e terror contra a população, que vem espalhando medo e insegurança na comunidade iguatuense.

Faz-se necessária uma enérgica mobilização de todos/todas para que cobremos das autoridades constituídas, Ministério Público e Poder Judiciário, uma apuração efetiva e célere acerca destes fatos lamentáveis apontando e punindo os seus autores, executores e eventuais mandantes, para que possamos reafirmar sempre: TORTURA NUNCA MAIS!

Que se faça justiça para que haja a paz! E cessem a violência e a impunidade!

Comissão Provisória Justiça e Paz Dom Oscar Romero/Diocese de Iguatu; Ordem dos Advogados do Brasil - OAB subseção de Iguatu, Associação da Mulheres de Iguatu - AMI, Fundação de Apoio ao Jovem de Iguatu - FAJI, Associação Comercial, Rotary Clube de Iguatu, Sindicato Nacional dos Servidores da Educação Federal - SINASEFE Iguatu, Sindicato dos Comerciários, Associação dos Atingidos de Iguatu, Associação dos Pequenos Produtores e Profissionais da Gameleira, SIndicato dos Bancários, Câmara dos Dirigentes Lojistas de Iguatu - CDL, Associação dos Produtores do Fomento Iguatu, Sindieletro, Sindsaúde - Iguatu, Entidades que compõem o Fórum Microrregional pela Vida no Semiárido, Comissão Pastoral da Terra Diocesana - CPT, Sindicato dos Trabalhadores do Serviço Público Federal no Estado do Ceará - SINTSEF Iguatu, Instituto Elo Amigo, Cáritas Diocesana de Iguatu, Centro de Defesa dos Direitos Humanos Antônio Conselheiro - Senador Pompeu, Pastoral da Criança Diocesana, Comunidades Eclesiais de BAse - CEBs, Associação das Mulheres de São Pedro - AMUSP Jucás, Fundação São José - Saboeiro, Federação das Associações de Pedra Branca e Entidades Comunitárias - FATEC, Sindicato dos Trabalhadores e Trabalhadoras Rurais de Pedra Branca, Rede de Educação Cidadã - RECID-CE e Crítica Radical Ceará.

 

ATENÇÃO: A comunidade citada na matéria não tem nada haver com nosso site ou com nossos colaborados.