Warning: Attempt to read property "image_fulltext" on null in /home/krmp/rikaryo.com.br/templates/ja_blockk/html/com_content/article/default.php on line 32

Warning: Attempt to read property "image_fulltext" on null in /home/krmp/rikaryo.com.br/templates/ja_blockk/html/com_content/article/default.php on line 36

Warning: Attempt to read property "image_fulltext" on null in /home/krmp/rikaryo.com.br/templates/ja_blockk/html/com_content/article/default.php on line 43

Warning: Attempt to read property "image_fulltext" on null in /home/krmp/rikaryo.com.br/templates/ja_blockk/html/mod_jacontentlisting/details/default-03/index.php on line 39

Warning: Attempt to read property "image_fulltext" on null in /home/krmp/rikaryo.com.br/templates/ja_blockk/html/mod_jacontentlisting/details/default-03/index.php on line 41
/home/krmp/rikaryo.com.br/templates/ja_blockk/html/mod_jacontentlisting/details/default-03/index.php on line 63
https://www.rikaryo.com.br/');" >

Colaboradora do WikiLeaks no Brasil lança agência de jornalismo investigativo

Foto:DivulgaçãoInteressadas em produzir reportagens que demandam longo período de apuração e produção independente, as jornalistas Natalia Viana, colaboradora do Wikileaks, e as colegas de profissão Marina Amaral e Tatiana Merlino deram início a Pública, agência de jornalismo investigativo que atuará nos moldes dos tradicionais centros de investigação da Europa e Estados Unidos.

Diferente das organizações Repórter Brasil e Transparência, que produzem jornalismo como ativistas, a atuação da agência Pública está nacionalmente na vanguarda, como explica Natalia. “Nós seremos um centro apenas de jornalismo, com diferentes temas”, e completa “é um modelo pioneiro, na verdade. É inovador porque estamos propondo uma nova forma de fazer jornalismo investigativo, fora das redações tradicionais, embora em parceria com elas”, afirma.

O projeto, pensado quando Natalia e Marina estavam na revista Caros Amigos, busca preencher uma lacuna existente em diversos veículos de imprensa no Brasil que, na opinião de Marina, carecem de recurso e espaço para investir em pautas com mais fôlego e apuração. ”O nosso objetivo é de investir em apuração bem feita, aprofundar a questão da matéria bem apurada, fazer investigação com o enfoque no interresse público”, explica.

Apoio
A Pública não terá patrocínio fixo, cada pauta produzida pelas repórteres ou colaboradores poderá ser apoiada por uma determinada fundação e também contar com a divulgação de veículos de comunicação. “Começamos com a Carta Capital, mas já temos outras propostas”, responde Amaral, citando também a montadora Ford como parceira de um eventual projeto.

Wikileaks
Além dos centros internacionais de jornalismo investigativo, como o Center for Public Integrity, Center for Investigative Reporting e Bureau, a agência tem o apoio do Wikileaks, entidade que divulga telegramas secretos a respeito da diplomacia mundial.

“Somos parceiros um tanto orgânicos, por causa do meu trabalho junto a eles. O Wikileaks é uma organização jornalística, que está trabalhando para ampliar esse lado de produção de conteúdo jornalístico, e é nesse sentido que estamos pensando em colaborar em projetos futuros”, responde Natalia Viana.

Fonte: Renan Justi - Portal Comunique-se