Gilberto Carvalho: Gastos com a Copa não prejudicaram investimentos em saúde e educação

Uma das maiores paixões do Brasil é o futebol. Por isso, é natural que a realização da Copa do Mundo em nosso país desperte fortes emoções. E é com muita emoção que o significado desse grande evento tem sido analisado.

Infelizmente, porém, tem faltado informação. É exatamente para levar informações precisas e ouvir um amplo leque de opiniões que tenho ido, como representante do governo brasileiro, a todas as cidades-sede para debater com os representantes dos movimentos sociais a importância e as repercussões da Copa para o Brasil.

A "crítica" que mais ouvi até agora é que os gastos do governo federal com a Copa do Mundo prejudicaram os investimentos do país em saúde e educação. Entretanto, esse é um mito que não tem lógica nem fundamento. Não houve gastos do orçamento da União diretamente com a Copa.

Nos 12 estádios, que custaram R$ 8 bilhões, o governo federal entrou com R$ 3,9 bilhões de financiamento do BNDES. Mas esses financiamentos serão pagos. Nas obras ligadas à Copa, realizadas nas cidades-sedes, o governo investiu R$ 17,6 bilhões, principalmente nos aeroportos, no transporte público de massa e nas telecomunicações. E essas obras permanecerão como benefícios permanentes para nosso país.

Não dá para aceitar que, por causa desses investimentos, a educação e a saúde estejam em péssima situação, como dizem alguns críticos mais exaltados. Em primeiro lugar, porque os R$ 25,6 bilhões gastos com estádios e obras ligados à Copa, desde 2010, não são comparáveis aos R$ 825,3 bilhões que o governo federal investiu em educação e saúde nesse mesmo período.

Em segundo lugar, porque − ainda que tenhamos muito a melhorar − esses investimentos têm trazido avanços muito importantes. Na educação, basta perguntar a quem teve acesso à universidade graças ao Reuni e ao Prouni, aos milhares de formados pelo Pronatec, aos alunos de tempo integral do Mais Educação, ou aos jovens que estão estudando no exterior pelo Ciência Sem Fronteiras.

O mesmo vale para os milhões de usuários do SUS, o maior sistema público de saúde do mundo, para os beneficiários das novas UPAS e para aqueles atendidos pelos mais de 14 mil profissionais contratados pelo Mais Médicos. Um exemplo importante da melhoria na saúde é o fato de que nos últimos dez anos o Brasil reduziu em 40% a taxa de mortalidade infantil.

Ainda assim, os movimentos sociais querem mais e estão aproveitando a oportunidade da Copa do Mundo para fazer manifestações e reivindicações. Esse é o papel deles. E esse também é o principal significado da Copa: ela traz amplas oportunidades e é uma conquista para nosso país.

Legado

Não é por acaso que o Brasil tem hoje uma das menores taxas de desemprego do planeta. O processo de preparação para a Copa contribuiu para isso, pois gerou centenas de milhares de novos postos de trabalho, principalmente nas áreas da construção civil e do turismo. Segundo a Fundação de Estudos e Pesquisas Econômicas da USP, só a Copa das Confederações, em 2013, gerou 303 mil empregos. E a Copa do Mundo como um todo vai gerar três vezes mais, acrescentando cerca de R$ 30 bilhões ao Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro de 2014.

A Copa do Mundo também trouxe a possibilidade de ações de inclusão social e de sustentabilidade ambiental. Serão destinados 50 mil ingressos gratuitos a beneficiários do Bolsa Família e representantes dos povos indígenas.

Nas cidades-sede, haverá coleta seletiva de materiais recicláveis dentro e fora dos estádios, em parceria com cooperativas de catadores. O Pronatec Copa está capacitando milhares de trabalhadores para a recepção aos turistas.

A previsão, no setor de turismo, é de que se abram cerca de 50 mil novos empregos no período da Copa, para atender os 600 mil turistas estrangeiros (o dobro da África do Sul) e os 3 milhões de turistas brasileiros que vão viajar pelo país para acompanhar os jogos. E a ampliação do turismo, com a divulgação da imagem do país no exterior, é um ganho que vai permanecer por muitos anos.

A Copa só veio para o Brasil, depois de uma grande disputa internacional, porque antes nós vencemos a batalha contra a miséria e a batalha da inclusão social. Mas há muitas outras batalhas a vencer. E estamos dispostos a caminhar juntos nessa perspectiva. O governo federal não está tomando nenhuma iniciativa para inibir críticas ou protestos. O Brasil é um país democrático e as manifestações populares são essenciais para nossa democracia.

Os turistas que presenciarem essas manifestações durante a Copa vão testemunhar que o Brasil é um país livre, onde a cidadania se manifesta, protesta e expressa seus anseios. Nós só temos a preocupação de que as manifestações, seja em relação à Copa ou aos temas sociais, ocorram sem violência, a partir de informações corretas, completas e sem distorções.

Finalmente, a Copa do Mundo será também uma oportunidade de reflexão, pois o tema da disputa no Brasil será "Pela paz e contra o racismo". Em todos os jogos haverá ações nesse sentido. O povo brasileiro vai receber os turistas com sua alegria e hospitalidade e vai celebrar a Copa como um momento de festa e congraçamento entre os países que aqui estarão representados. É assim que vamos fazer a Copa das Copas.

Fonte: UOL