O Brasil já vive isolado do mundo com rótulo de ditadura

Fato consumado e garantido que em pouco mais de 10 dias de mandato do presidente Jair Bolsonaro (PSL-RJ) foi formalizado uma ditadura que vem garantindo uma forte censura aos meios de comunicação, perseguição das minorias, ocultação de ações judiciais de familiares, aliados e decretos que vão contra a constituição federal.

Em 10 dias de mandato a enganada população brasileira assiste a bagunça que vive o governo Bolsonaro nos noticiários da TV e internet do país e do mundo inteiro. É claro como o dia que o novo governo eleito não tem projeto para o Brasil e vem garantindo com decreto atrás de decreto pagar os acordos financeiros de campanha com o setor privado que vai sangrar por décadas os cofres, e as reservas públicas que são por direito do povo brasileiro, começando pelo fim do social e fortalecimento da ignorância e preconceitos medievais que o presidente defendeu desde sempre e mais fortemente em sua campanha como: Desigualdade de salários entre homens e mulheres “Não pagaria o mesmo salário para uma mulher, porque ela engravida”, racismo “Negro não pesa quilo e sim arroba e não serve nem para procriar”, território indígenas “índio não vai ter terra no meu governo se não comprar”, movimentos sociais “tudo vagabundo e vão ter que trabalhar e se fizer greve vão apanhar”, aposentadoria “povo brasileiro tem que parar de vagabundagem e trabalhar quantos anos for necessário - se referindo aos 49 anos de contribuição obrigatória que está na reforma da previdência de Temer e que ele que aprovar até fevereiro, sem incluir políticos e militares - e por aí vai se concretizando o fim dos direitos no Brasil.

O governo novo com cara de século XVIII começou com várias tragédias, os assassinatos dos dois líderes comunitários rurais do MST e da repressão com direito a pancadaria nos índios pataxós por pistoleiros dos madeireiros e do agronegócio, da perseguição a funcionários públicos concursados que não votaram no atual presidente e estão tendo sua privacidade brutalmente violada, com a proibição de produtores brasileiros de venderem seus produtos no território nacional para dar lugar a importação dos Estados Unidos, como é o caso da carne que retirou 12% da produção nacional, coisa que não acontecia desde 2003.

A hipocrisia do homem de bem e da família tradicional brasileira chega a ser podre porque defende e acredita na crueldade com o destino do próximo em uma democracia que deve ser seletiva de brancos, ricos herdeiros e alto escalão militar, que a repressão e aniquilação da pobreza sejas através de mortes e prisões. O grande problema disso tudo, é que a lógica se confirma ser a pior possíve se comparada aos países que convivem com leis severas e religião extremista que nunca conseguiram se manter estáveis e humanas depois de seguir esse caminho.

Pior que o presidente Bolsonaro fez um discurso afirmando que acabaria com o socialismo no Brasil sem saber nem o que é socialismo, e os bolsominios e eleitores que ainda estão apoiando com base na esperança de dias melhores, não conseguem enxergar o fim da estrada que está o Brasil com um governo irresponsável e com uma visão de futuro obscuro modelado a decretos.

Armas para ricos aniquilarem pobres

A verdade sobre o decreto das armas é que ele foi pensado para as famílias ricas que não conseguem tirar porte - porque no Brasil o porte de arma nunca foi proibido, ele era rigoroso – e agora podem ter e ampliar o seu poder de exploração com intimidação da vida dos mais frágeis de direitos e politicas. O problema da desigualdade de classes vai garantir ao pobre o sofrimento ainda maior na pele, como em épocas de escravidão e do troco, o tal decreto que garante o poder bélico pessoal dos privilegiados, ou você acha que pobre no Brasil tem de cinco a dez mil reais para comprar uma arma de fogo? E as policias que serão mais alvos do que nunca das armas, até porque hoje a segurança pública já sofre com a quantidade absurda de armas em massa do mercado clandestino e do exército brasileiro que circula nas ruas, ou você acha que granadas, metralhadoras, canhões M114/M101, Morteiros, bazucas AT-4/ALAC/Milan, Fuzis FNFAL/ParaFAL, carabinas M4A1, a poderosa M24 (Sniper Weapon System) e explosivos plásticos que somem da responsabilidade do exército devem continuar fazendo vítimas militares e civis com tem feito desde sempre. Se somarmos toda a complexibilidade das desigualdades, privilégios e corrupção de uma população sem capacidade psicológica de portar uma arma de fogo, o Brasil seguirá as estatísticas negativas dos países que tem porte de arma liberada, onde tragicamente o índice de assassinatos é três vezes maior que nos países onde o porte de arma é proibido.

Será que a consciência do povo brasileiro sobre as armas de fogo só vai mudar quando sua família ou amigos forem alvos? Até lá a camada social mais frágil “que muito talvez tenha apenas um liquidificador para se defender”, vai pagar sem direito a manchete favorável a ele na TV, isso porque quem vai está atirando dificilmente é criminalizado ou vira notícia.

Brasil isolado e submisso aos EUA

A ditadura que começou no Brasil em 2019 usando o voto da democracia já garante episódios como a repressão com gás lacrimogênio, bombas de fumaça, balas de borracha, cães e cassetetes em manifestantes de São Paulo no último, 15/01, que aguardavam o início de uma manifestação pacífica contra o aumento da tarifa de ônibus.

Acredite essa pancadaria em SP, e a repressão aos índios e aos lideres comunitários rurais é somente a ponta do iceberg.

Os abusos e assassinatos cometidos pelo estado já começaram acima da média histórica, segundo as Nações Unidas que monitoram as democracias no mundo essa semana rebaixou o Brasil a uma ditadura, os discursos da geopolítica mundial tem sido os piores possíveis para América latina com foco no Brasil e pasmem, mais fortes que para a criminalizada Venezuela de Maduro. O bloco europeu e zona do euro já se manifestaram contra fechar acordos com o Brasil, discurso puxado fortemente pela Alemanha e França, o que garante ao nosso país o isolamento do mundo, até pela nossa pífia representação diplomática que não agrega aliados e nos coloca na contínua e vergonhosa submissão aos Estados Unidos de Trump.

As vezes fico pensando que Bolsonaro diz ser patriota, mas pelas suas ações ele parece não saber nem o que é, o desconhecimento dele sobre socialismo, patriotismo e soberania, parece está todos colocados em uma única definição ignorante e achista, será que ele acredita mesmo que decorar e cantar o hino nacional e fazer continência de submissão a patente militar são os únicos motivos do patriotismo? Sabemos que esses símbolos fazem parte, mas garantir toda a diversidade independente de classe financeira e social, defender o território brasileiro e suas riquezas também fazem parte, agora a promoção da ignorância e entreguismo baseados em crise vira-lata não é patriotismo e é isso que temos visto.

Os enganados caídos do caminhão da mudança

Infelizmente você Bolsominion foi enganado porque o ódio achista nunca lhe permitiu buscar informação, você eleitor que teve a informação e mesmo sua consciência alertando por várias vezes a usurpação que o discuso de ódio usado como cortina de fumaça enganou sua capacidade de decidir e facilitou o erro do seu voto versus realidade só confirma que infelizmente você foi enganado e já deve ter se visto assim, vai pagar com salário baixo e sem poder de compra, sem direito de viver a família na velhice porque sua mão de obra continuará sendo a única coisa de valor para a classe rica que vai gozar na Disney as custas do seu erro cometido em 2018.

1000 Letras Restantes