"Não ao Golpe" movimenta Iguatu pela democracia e estado de direitos

No dia 31 de março, data que marca 52 anos do golpe na democracia brasileira pelos militares, mais de 3 milhões de pessoas foram as ruas em todo o Brasil para defender permanência da democracia e todo o estado de direitos conquistados com muito suor e sangue.

Na cidade de Iguatu mais de mil pessoas participaram de atividades referentes a data, inicialmente metade desse publico compareceu a um ato ocorrido na Praça da Criança no centro de Iguatu/CE, realizado por movimentos sociais, sindicatos e partidos que somaram a agenda o não impeachment da presidente Dilma Rousseff (PT). A movimentação pacifica repleta de famílias seguiu até as 20h com discursos de lideranças e cidadãos que queriam manifestar toda sua indignação com a tentativa de derrubar um governo eleito democraticamente nas urnas.

O presidente do PT de Iguatu, Martins Chaves, ressaltou que a sociedade iguatuense precisa se mobilizar para não retroceder “O país conquistou muito mais em 14 anos em um governo de esquerda do que em 500 anos nas mãos da direita, que cria fatos e inverdades para alienar o povo e nós sabemos que a vida das pessoas melhoraram”, disse.

Nós brasileiros leigos em leis, mas sensíveis ao justo e ao necessário para se manter uma democracia plural e viva, temos a certeza que um Impeachment sem crime é golpe e que a perseguição das elites ao mandato da presidenta Dilma, como disse o companheiro e coordenador da Federação de Trabalhadores e Trabalhadoras na Agricultura Familiar, Elvio Motta, durante o lançamento da terceira fase do programa Minha Casa Minha Vida (MCMV), “O golpe não é contra seu governo presidenta, é contra os pobres do Brasil”.

#UniversidadePelaDemocracia

Auditório dao Campi multi-funcional de Iguatu ficou lotado

O evento seguiu até o auditório do Campi multi-institucional, Humberto Teixeira, para o debate realizado pelas universidades URCA e UECE com o tema “I debate multi-institucional sobre a crise política e a conjuntura nacional e pela legalidade democrática” que lotou o auditório com palestras de vários seguimentos do direito, historia e estudantes que destacaram situações locais como sendo as piores possíveis, dando um horizonte que a politica da forma que vem sendo feita precisa mudar. “O desgaste com a politica gerou oportunidade para os oportunistas de plantão que buscam a todo custo gerar um cenário ainda mais desfavorável para as classes mais pobres do país, as que acessaram politicas que era privilégios de poucos”, disse a estudante, Camila Pereira.

O momento encerrou-se confirmando sua contribuição para a democracia e estado de direitos que deve ser protegido por todo e qualquer brasileiro, principalmente se ele for das minorias, negros, grays, agricultores, operários, professores, entre vários outros que ajudaram a construir essa nação tijolo por tijolo.

Diga sempre NÃO AO GOLPE.

Veja galeria de fotos:

1000 Letras Restantes